i

                                                                                                                       

Candidatas para o Brasil de Bolsonaro

Autores/as

  • Joyce Miranda Leão Martins Universidade Federal de São Carlos
  • Mercia Alves Alves Universidade Federal do Paraná
  • Tathiana Chicarino Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Resumen

O artigo busca compreender as estratégias discursivas voltadas à construção das imagens de três candidatas ao Legislativo federal que se destacaram nas ruas e nas redes como apoiadoras de Jair Bolsonaro – Bia Kicis, Carla Zambelli e Joice Hasselman – a partir da Análise de Discurso de matriz francesa. O corpus são os vídeos publicados nos canais Youtube de cada uma delas durante o período oficial de campanha em 2018. Partimos da hipótese de que as candidatas lançaram mão de falas antissistêmicas e antifeministas para serem legitimadas por homens e mulheres como uma alternativa eleitoral no campo conservador. A hipótese foi confirmada nos discursos dessas autointituladas mulheres de direita em “guerra” pela salvação do Brasil e a favor da liderança de Bolsonaro.

Biografía del autor/a

Joyce Miranda Leão Martins, Universidade Federal de São Carlos

Pós-doutorado em Ciência Política no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), onde participou do projeto temático Lideranças Políticas no Brasil: características e questões institucionais, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Doutora em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Realizou estágio de doutorado na Universidad Complutense de Madrid (UCM). Tem mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará e bacharelado em Ciências Sociais pela mesma instituição. Pesquisadora vinculada ao Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e Política (NEAMP), da PUC/SP, e ao Núcleo de Investigação em Práticas e Competências Midiáticas (NIP-COM), da Universidade Autônoma de Lisboa (UAL). Desenvolve estudos relacionados à construção de imagens públicas da política, campanhas eleitorais, estratégias discursivas do poder, gênero e teoria política. Professora substituta no Departamento de Sociologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e professora convidada na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Autora do livro O Novo Jogo Eleitoral Brasileiro: PT e PSDB na democracia de público.

Mercia Alves Alves, Universidade Federal do Paraná

Doutora em Ciência Política pela Universidade Federal de São Carlos (PPGPOL / UFSCar), Foi pesquisadora visitante na Área de Ciencia Política y de la Administración na Universidad de Salamanca, Espanha. Foi editora chefe da revista Agenda Política (ISSN 2318-8499) entre 2017 e 2021. É editora assistente da Aurora, revista de arte, mídia e política (ISSN 1982-6672). Mestre em Ciência Política e Bacharel em Ciências Sociais. Foi bolsista FAPESP durante o Mestrado e Doutorado. É membro dos grupos de pesquisa Comunicação Política, Partidos e Eleições (UFSCar) e do Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e Política - NEAMP (PUC-SP). Desenvolve pesquisas na área de Ciência Política, com ênfase em Comunicação Política, principalmente nos temas: Mídia e Eleições, Campanhas Eleitorais, Profissionalização de Campanhas, Campanhas Locais, e Metodologia de Pesquisa. Professora substituta do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Tathiana Chicarino, Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Doutora e Mestra em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Bacharel em Sociologia e Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Professora de pós-graduação na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Pesquisadora do Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e Política (NEAMP) da PUC/SP e do Grupo de Pesquisa "Comunicação e Sociedade do Espetáculo" da Casper Líbero. Tem se dedicado aos temas: mídias e internet, cultura política, discurso político, campanha eleitoral, democracia e autoritarismo. 

Palabras clave:

Eleição 2018, Gênero, Bolsonarismo, Conservadorismo, Discurso político, YouTube